Publicada em: 14/07/2016 - 00:00, por Revista ESPAÇODESIGN

A A A

20 anos de MARVS

O Museu de Artes Visuais Ruth Schneider foi inaugurado em 18 de maio de 1996, pela Fundação Universidade de Passo Fundo através de um convênio com a Prefeitura Municipal. É vinculado a Vice-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, caracterizando-se desde sua criação, pelo compromisso com a democratização do acesso à arte e a cultura, oportunizando a vivência, a aprendizagem e a apreciação das diversas linguagens artísticas, bem como seu conhecimento como patrimônio, através de estudos e difusão do acervo, assim como a sua conservação, proteção, valorização e ampliação, fomentando a produção artística.        

É também um espaço de pesquisa e estágio para os Acadêmicos do Curso de Artes Visuais da Universidade de Passo Fundo. O MAVRS possui cadastro junto ao Sistema Estadual e Nacional de Museus.

A formação original do acervo partiu de um lote de aproximadamente duzentas doações feitas pela artista plástica passofundense Ruth Schneider (razão pela qual o Museu tem o seu nome) e de doações de galeristas de Porto Alegre, como Milton Couto (Galeria Arte & Fato), Renato Rosa (Agência da Arte), Oficina 11, do artista Roberto Schmith Prym e do Museu do Trabalho, entre outros.

Atualmente o acervo do MAVRS é composto com mais de 1.300 obras entre gravuras, pinturas, desenhos, esculturas, fotografias, objetos, instalações de artistas. Desde sua inauguração, já foram montadas mais de 300 exposições e encontros com os artistas expositores.

Para oportunizar os artistas interessados que queiram expor no Museu, o MAVRS lança uma vez por ano um Edital, para exposição no Espaço Glauco Pinto de Moraes, composto por duas salas em suas dependências. 

A equipe é composta de uma Coordenadora/Museóloga, Tania Aimi, uma assistente de Museu, auxiliares de Museu e o atendimento ao público que fica por conta de quatro estagiários, alunos do curso de Artes Visuais da UPF, que estabelecem com o público uma mediação durante a visitação, os acadêmicos são orientados por uma professora do curso de Artes Visuais da UPF.

MUSEU HISTÓRICO REGIONAL

No andar térreo da edificação, encontra-se o Museu Histórico Regional, com a missão de socializar os conhecimentos, contribuindo na construção de saberes e na melhoria dos processos educacionais e culturais e na transformação para uma sociedade mais justa, equitativa e sustentável, buscando o fortalecimento da identidade local e regional com objetivos de: integrar os espaços de memória e patrimônio buscando construir propostas comuns de atuação e fortalecer a interação com a sociedade; criar políticas de proteção, preservação e conservação de acervos; propor ações educativas integradas; construir programas integrados de comunicação e divulgação com instituições congêneres; fortalecer a área de identidade, memória e patrimônio junto à sociedade e oferecer a comunidade um espaço de pesquisa. O MHR assim como o MAVRS, também possui cadastro junto ao Sistema Estadual e Nacional de Museus. Seu acervo é originário de doações da comuni-dade e conta com aproximadamente 10 mil itens, divididos por setores.

O acervo encontra-se acondicio-nado em uma Reserva Técnica visitável e equipada com arquivos deslizantes. O MHR, também promove diversas exposições temáticas ao longo do ano, cumprindo assim com suas funções museais salvaguarda e divulgação da memória e patrimônio histórico-cultural. O atendimento é feito por alunos do Curso de História da UPF, com a orientação de um professor responsável.    

AÇÃO EDUCATIVA

A equipe do MAVRS e do MHR trabalham para constituir em seu público um olhar cuidadoso, intermediando conceitos propostos e fazendo emergir novas interpretações, voltando a atenção de seus visitantes à cultura, de forma crítica e criativa. Ampliamos nossa caminhada para além dos limites da instituição, visitando escolas e levando até elas exposições e o­ficinas. Desenvolvemos atividades de experimen-tação de arte e cultura visual, visando abrir espaços de diálogo entre a instituição, alunos e professores. 

Para grupos visitantes, agendados previamente, os Museus oferecem através do Setor Educativo, ações educativas que são aplicadas por seus estagiários, orientados pelos professores/coordenadores da Ação Educativa.  Além de oficinas os Museus também promovem oficinas de capacitação para sua equipe e interessados, palestras, workshops, sessões de vídeo, apresentações musicais, entre outras atividades, que são desenvolvidas em todos os espaços do Museu (pátio, salas expositivas e setor educativo Roseli Doleski Pretto). 

MUSEU MÓVEL

Devido à dificuldade que algumas escolas da rede pública da cidade têm em se deslocar até o Museu, foi criado em 2014 o Projeto Museu Móvel uma parceria entre os dois Museus, com a proposta de aproximar o público escolar do acervo. Aonde o Museu vai até a escola, com pequenas exposições, com obras e objetos dos seus acervos além do desenvolvimento de ações educativas.

 QUEM FOI RUTH SCHNEIDER

Nasceu em 08 de maio de 1943, na cidade de Passo Fundo. Desde pequena, gostava de passar o tempo copiando historinhas de gibi, e aos 10 anos ela já fazia colagens e imagens de revista e jornais. Esse talento levou-a a transitar entre a pintura, a gravura, a escultura e o desenho. Autodidata, estudou em 1974, no Ateliê Livre, em Porto Alegre, com artistas importantes como, Fernando Baril e Paulo Porcella.

Em 1990, expôs na 21ª Bienal Internacional de São Paulo. Participou de importantes salões internacionais e nacionais, como o 3º Salão Jovem Arte Sul América e em 1983, expôs no Museu de Artes do Rio Grande do Sul (MARGS). Sua obra traduz a essência do pensamento criativo e nos leva a um turbilhão de leitura

QUEM FOI ROSELI DOLESKI PRETTO

A artista plástica e professora idealizou e coordenou o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider e o Museu Histórico Regional de Passo Fundo. Lutou com todas suas forças naturais e intelectuais para a concretização do projeto que visava à estruturação do Museu de Artes Visuais Ruth Schneider.

Nascida em Uruguaiana-RS, fez o curso de Artes, com formação em Desenho e especialização em Arte, Teorias e Métodos na Universidade de Passo Fundo, onde também atuou como professora de desenho, na Faculdade de Artes e Comunicação. Casou e fi­xou residência em Passo Fundo. Foi desenhista, pintora e gravadora. Recebeu vários prêmios e expôs suas obras em vários salões de arte do país e no exterior, onde deixou obras em acervos de museus internacionais.

ESPAÇO CULTURAL ROSELI DOLESKI PRETTO

Criado no ano de 2003, o Espaço Cultural Roseli Doleski Pretto abrange o prédio da Acadêmia Passo-Fundense de Letras, o Teatro Municipal Múcio de Castro, a Biblioteca Municipal Arno Viuniski e o Prédio que abriga o Museu Histórico Regional (MHR) e o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS). O nome do espaço é uma homenagem à Roseli Doleski Pretto, artista que coordenou o MHR e o MAVRS até 2002, ano do seu falecimento.

O PRÉDIO

Em um terreno localizado na então Rua do Comércio, atual Avenida Brasil, foi construído (entre 1909 e 1911) o prédio para sediar a Intendência Municipal de Passo Fundo, inaugurado em 25 de julho de 1911 com um grande foguetório. Na década de 1930, a sede do governo municipal passa a chamar-se Prefeitura e permanece neste prédio até 1976, quando inaugura o atual Centro Administrativo da cidade, na Av. Brasil Leste, 75. Desde então, passou a ser usado por diversas secretarias e entidades de Passo Fundo.

O prédio integra o Projeto Pró-Memória Gaúcha (RBS-Bamerindus), de 1984, é tombado pelo município de Passo Fundo e integra o Patrimônio Histórico do Estado do Rio Grande do Sul. Foi reformado em 1995 para abrigar o Museu Histórico Regional e o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider.

 

Contatos:

Fone (54) 3316-8586

Email: mavrs@upf.br – Site: www.upf.br/mavrs - Face: www.facebook.com/mavrs

Endereço: Avenida Brasil Oeste, 758 – 99025-003 – Passo Fundo/RS

 

Imagens Relacionadas

Clique nas imagens para ampliá-las.

Aqui, empresas e projetos ganham espaço

© 2017 Revista ED. Todos os direitos reservados - Parceria Sistemas.

Ou entre em contato pelo telefone: (54) 3045-6520