Publicada em: 23/07/2013 - 17:00, por Silvania A. Baruffi Vicentini

A A A

Paisagismo sustentável

Tão importante quanto pensar na parte interna de uma construção é pensar no lado externo. Nessas horas entra em cena a ação de paisagistas e arquitetos dispostos a deixar o seu jardim e área de lazer mais bonita, útil e prazerosa para todos da família. Se você está passando por essa etapa, é importante prestar atenção na sustentabilidade dessa área de casa e nas medidas que podem ser tomadas para reduzir a pegada ambiental da área verde e recreativa.

Planejamento:

Para a paisagista e gestora ambiental, Silvania A. Baruffi Vicentini, o paisagismo sustentável é aquele que se adapta à realidade onde vai ser inserido. “Uma realidade composta não só pela vegetação, mas também pela fauna, solo, clima e todos os demais fatores”.

Por isso, antes de plantar mudas aleatórias em toda a área externa da casa, é importante fazer o planejamento do que vai ser aquele local; qual será a(s) utilidade(s) da área, como ela será distribuída e qual será o desdobramento dela no futuro.

A primeira coisa a fazer é definir as áreas de lazer. Terá uma churrasqueira? Piscina? Área de jogos? Dependendo das atividades é possível dimensionar o projeto, determinar quais as plantas rasteiras poderão ser usadas, onde colocar árvores que darão sombras, quais espécies vão melhor se adaptar àquela realidade, etc.

Espécies nativas:

Um dos pontos mais importantes na hora de planejar sua área de lazer é avaliar quais espécies de plantas são mais adequadas para aquela região. Plantas nativas são as mais indicadas. Com isso, o dono da casa poupa não apenas trabalho e despesas com equipamentos e produtos de jardinagem, mas também consegue reduzir os gastos com água em até 30%. “O consumo de água irá diminuir pois a demanda de uma espécie nativa é menor que a de uma espécie de outra região, já que a água disponível ali é apropriada para ela”.

Espécies nativas tolerantes a períodos de seca e geada, composições arbustivas, coberturas vegetais e espécies perenes podem ser boas opção de substituição.
Reutilização da água da chuva e de outras áreas da casa, rega por gotejamento e no período da manhã também ajudam a diminuir o consumo de água nessa parte da casa.

Decoração Sustentável:

Na hora de escolher a decoração, a palavra é criatividade. Utilizar componentes da própria demolição na construção do deck, fazer painéis com madeira reutilizada e jardins verticais com garrafas PET são formas de adaptar o paisagismo ao cenário local e minimizar os impactos que ele teria no meio ambiente. Também é importante materiais que desempenham função ecológica, tais como: piso drenante com fibra de coco para minimizar enchentes; piso anti-impacto feito com pneu triturado para a prática de esportes, etc. 

Essas são técnicas que, além de desempenharem funções específicas, contribuem ecologicamente para a sustentabilidade do paisagismo em novos projetos e novos empreendimentos. 

Jardim Vertical:

- O Jardim Vertical Externo colabora com a diminuição dos efeitos da emissão de carbono, atenuante da poluição do ar;
- Diminui a temperatura tanto do micro quanto do macro ambiente externo pelo controle da energia solar;
- Decoração do ambiente interno ou externo;
- Conforto térmico e acústico para ambientes internos, proporcionado pelo jardim;
- O Jardim Vertical Externo contribui para a maior durabilidade dos prédios, pois diminui a amplitude térmica;
- A Fachada Vegetal proporciona a inclusão social. Aumentando a oportunidade de convívio com a natureza 
em diferentes locais;
- Embelezamento dos centros urbanos;
- Pode ser combinado com um jardim suspenso;

Portanto, converse com um profissional da área e veja qual a melhor opção para deixar o seu jardim mais sustentável.

Imagens Relacionadas

Clique nas imagens para ampliá-las.

Aqui, empresas e projetos ganham espaço

© 2018 Revista ED. Todos os direitos reservados - Parceria Sistemas.

Ou entre em contato pelo telefone: (54) 3045-6520